Nanotecnologia em cosmética: Por que chegamos mais longe?

Pense em um fio de cabelo. Agora divida essa espessura em 80 mil vezes – isso mesmo, nem 8, nem 80, 80 MIL vezes – o resultado é o tamanho aproximado de um Nanovetor, o segredo da tecnologia moderna que utilizamos aqui na Quintal e que tem sido explorada no mundo todo, da medicina à eletricidade.

 

O que é Nanotecnologia?

Nanotecnologia é uma técnica molecular muito moderna, que atua em escala nanométrica, ou seja, com a menor parte de um átomo conhecida até hoje. Basicamente o processo consiste em encapsular elementos nessas micropartículas, que podem ser utilizadas em quase tudo. A nanotecnologia é uma ciência multidisciplinar, aplicável na construção civil, na eletrônica e, claro, na cosmética.

De acordo com Betina Giehl Zanetti Ramos, diretora técnica responsável pela Nanovetores S/A, as partículas são feitas em base aquosa, com materiais lábeis, biocompatíveis e biodegradáveis. Ou seja, a membrana das cápsulas é orgânica e, portanto, facilmente adaptável ao corpo humano. Nos produtos cosméticos são essas membranas que protegem os ativos e os levam para dentro da pele quando aplicados.

 

Quintal e nanotecnologia

Dentro da cosmética, aplicar a Nanotecnologia não é tarefa fácil. O Nanovetor em questão precisa cumprir uma série de exigências para que possa entrar em contato com a pele na medida exata: Percorrendo as camadas mais profundas, sem atingir a corrente sanguínea. O ideal é que as partículas sejam maiores que 100 Nanômetros, mantendo a regulação de segurança. No caso, a utilização da tecnologia nos produtos Quintal é acima de 200 Nanômetros, 100% seguros para utilização.

Além disso é necessário que o ativo seja liberado a partir do estímulo certo, para não se dissolver na fórmula. A estrutura dos Nanovetores foi concebida para que sua eficácia seja de completa potencialização dos tratamentos com Máscara de Argila + Hidratantes Finalizadores, da linha Terra de Cores. Dependendo da forma como é estruturada, a fórmula pode liberar ativos através de diversos estímulos diferentes, são os chamados “gatilhos de liberação”, que podem ser por alteração de temperatura, adição de água, entre outras formas.

Nos Tratamentos Quintal o gatilho utilizado é por fricção, ou seja, os ativos só são liberados no contato com as mãos. As enzimas da pele se comunicam com as da argila e desencadeiam o processo. Sendo assim, faça chuva ou faça sol, sem contato com a pele as cápsulas ficam intactas, conservando a composição.

Como um Nanovetor age na pele?

Após ser liberado a partir do contato com a pele, a Nanopartícula vai se dissolvendo, sua base aquosa é compatível com a pele e portanto pode ser absorvida tranquilamente pelo organismo. A partir disso o ativo que estiver dentro – óleo de rosa mosqueta, babosa, extrato clareador de limão, etc – penetra na pele causando o efeito desejado.

A composição é similar à estrutura celular. Ou seja, a pele se identifica com a partícula e por isso a se agrega a ela de maneira fácil e natural. Esse processo reduz o risco de irritações cutâneas, alergia ou rejeição por parte do organismo. Além disso, penetram na pele profundamente e a liberação dos ativos é lenta e contínua, influindo no tratamento por mais tempo. Mesmo após lavar e retirar a máscara de argila, mesmo após fazer a maquiagem diária sobre o hidratante, a pele continua sendo regenerada pelo trabalho dos nanovetores até 12 horas após a aplicação do produto.

 

Quer saber mais sobre os efeitos dos produtos Quintal com Nanotecnologia na pele? Só provando! Mande um email para nós e peça suas amostras!

atendimento@quintalcosmeticos.com.br

 

 

One reply on “Nanotecnologia em cosmética: Por que chegamos mais longe?

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *