Medita-se ou se devora

“Me mantenho em atitude meditativa ao longo de todo o dia, a cada ação que realizo”, conta Aline San, professora de educação física, que há 4 anos começou a buscar a meditação e encontrou na prática uma experiência marcante, mas difícil de ser levada adiante. “No início as perturbações mentais conduzem para a sensação de impotência e desistência, justamente porque o silêncio interno nos mostra quanto barulho há em nossa mente”, explica.

Aline teve sua primeira meditação “guiada”. Significa que alguém com mais experiência, um instrutor ou guia, encaminha a meditação, ajudando quem ainda não tem prática a adentrar o tal estado meditativo. “Minha primeira experiência foi muito importante para que eu pudesse perceber a desconexão na qual me encontrava do meu corpo, minha mente e todos meus processos”, descreve ela.

Essa sensação acontece porque a meditação traz o indivíduo para o estado presente, tornando-o mais ciente de seu Ser. O contato com a respiração, com os próprios sentidos e com a realidade presente faz os pensamentos pararem de correr de um lado para o outro e leva-os a recolherem-se em suas casas, silenciosos.


Shhhhh

Meditar é essencialmente silenciar. Acalmar e treinar a mente para que a pessoa consiga, por conta própria, aquietar o turbilhão de perturbações que se instalam no campo mental com as memórias do passado e com as expectativas do futuro. Voltando-se para o agora o corpo é capaz de perceber suas reais necessidades e o espírito entra em estado de paz.

“Assim como tomamos o nosso banho diário para a limpeza desse corpo físico, a meditação banha nossa mente”, explica a professora de yoga Ana Lúcia Golçalves Dias. Por consequência, a sensação dos praticantes é a de limpeza e clareza mental. O resultado disso é o desenvolvimento da consciência, da estabilidade emocional, da paciência, da concentração e o sentimento de plenitude.

Essa habilidade é chamada de “mindfullness”, significa que a pessoa está completamente integrada com o que está acontecendo no momento atual. Ou seja, livre de apegos, remorsos, arrependimentos passados, bem como de ansiedade e pressas futuras. Faz parte de mudar a perspectiva e encarar a realidade como ela é, vivendo o presente sem julgamentos.

O mindfullness é uma importante mudança para quem vive de forma acelerada. Afinal, em termos práticos, a atividade que está sendo desenvolvida agora é a única que pode ser resolvida… agora. Uma mente recheada de preocupações não resolve a situação atual e tampouco  consegue encontrar soluções para os problemas futuros. Cada coisa a seu tempo e o tempo sendo tratado com respeito gira a favor de tudo.

 

Mas eu não tenho tempo…

“Você precisa meditar 10 minutos por dia
a não ser que você não tenha tempo para meditar,
nesse caso, você precisa meditar 1h por dia”

O ditado, já atribuido a Ghandi, a Osho, e por nós tido como sabedoria popular, vem lembrar da importância de separar alguns minutos para a pausa. Um dia cheio de atividades é um dia estimulante, que acelera a mente e o fluxo de pensamentos, portanto, o melhor a ser feito é usar o tempo de forma sábia, impedindo que essa quantidade de informações confunda a mente e a deixe perturbada, confusa e acelerada.

A palavra “meditação” também costuma assustar quem não tem afinidade com a prática. Parece algo inacessível, cansativo e que pode tomar muito tempo. De acordo com a professora Ana Lúcia, meditar é muito mais fácil do que parece. “Quase sempre as pessoas acham que não tem tempo para meditar, mas meditar é algo simples, basta reservar um momento ao longo do dia para se perceber, se voltar pra dentro. É tornar-se observador de si mesmo e aceitar as atividades do corpo e da mente, sem julgá-las”, explica.

Ela também ressalta a importância de desenvolver a prática meditativa. “Desde a primeira atividade são percebidos os sentimentos de paz, serenidade e clareza que a meditação traz, mas ela é um caminho que precisa ser alimentado diariamente até que se instale de forma efetiva. Aos poucos cada um descobre sua vivência particular, ativa sua sabedoria interna, e se reconecta com a própria natureza espiritual. Isso tudo nos traz muita clareza e dessa clareza surgem as respostas necessárias para uma vida plena e feliz”, defende ela.

 

Como faz?

  • Busque uma postura confortável, na qual não precise ficar se ajeitando o tempo todo
  • Descanse as mãos sobre o colo
  • Foque na sua respiração: Inspire até encher o abdome e expire até esvaziá-lo
  • Relaxe três pontos de tensão: Maxilar, ombros e quadris
  • Mantenha-se na mesma postura, evitando se distrair com coceiras e pequenos incômodos
  • Busque se conscientizar sobre o momento presente, onde você está, o que há ao redor, a sensação da pele, a temperatura do corpo, o funcionamento dos órgãos
  • Imagine cada um dos muitos processos que ocorrem dentro de você nesse momento, especialmente o respiratório
  • Procure se imaginar como expectador dos próprios pensamentos, coloque-os em nuvens, em um frame de filme e observe-os passar, sem julgá-los
  • Sempre que for atormentado por uma enxurrada de pensamentos, volte a se concentrar na respiração

 

Lembrete

A meditação guiada talvez seja a forma mais fácil de começar a sua prática meditativa, já que conta com o auxílio de uma pessoa experiente, músicas, mantras e um ambiente energizado. Se você tiver a oportunidade, busque ajuda.

 

 

 

One reply on “Medita-se ou se devora

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *